Criatividade


Criatividade e simplicidade.

No dicionário criatividade é a qualidade do criativo; capacidade criadora; inventividade.

Segundo uma das maiores autoridades no mundo em Pesquisa da Criatividade, Edward de Bono: “criatividade não é simplesmente uma maneira de fazer melhor as coisas. Sem ela, somos incapazes de fazer pleno uso das informações e experiências que já estão disponíveis e estão presas a antigas estruturas, padrões, conceitos e percepções."

Para Maslow, criador da famosa pirâmide que levou seu nome é: “atividade mental organizada, visando obter soluções originais para satisfação de necessidades e desejos".

Eu gosto de pensar que é a criação de soluções simples e originais para problemas complexos e aparentemente sem solução. Por isto, a frase que mais gosto é do músico Charles Mingos: “complicar o simples é fácil. Criatividade é tornar o complicado em simples".

Infelizmente o que acontece na maior parte das vezes é exatamente o oposto, soluções complexas que ao invés de simplificar nossas vidas, trazem mais problemas, burocracias e dificuldades.

Edward de Bono, em uma de suas últimas obras "Simplicity", fala da simplicidade como uma questão estratégica. Diz que "sem simplicidade, acontecem pelo menos duas coisas: Primeiro, a vida se torna mais complexa e as pessoas mais ansiosas. Segundo, não estaremos em condições de tirar vantagem de tudo o que o desenvolvimento tecnológico oferece. Portanto, a simplicidade se transformará num valor-chave ou central, ou seja, como projetar alguma coisa para que seja simples" (Entrevista para a revista HSM Management em abril de 2001).

Ainda nesta entrevista perguntou: “De que adianta uma super filmadora com milhares de funções se apenas 5% das pessoas conseguem usar mais de 10%?

Tudo deveria ser mais simples, as empresas, instituições, processos, equipamentos eletrônicos, Web Sites, Softwares, governos e principalmente as pessoas.

Idéias criativas podem resolver problemas com simplicidade.

Vejam um exemplo do que acabo de falar:

vaso sanitárioEu não gosto dos desodorizadores que ficam pendurados nas privadas dos banheiros e que servem para deixá-las limpas e com bom cheiro. Além de estética discutível, às vezes se soltam e ainda tem o contato físico para troca do refil.

Na casa da minha cunhada todas as descargas são do tipo que, após o uso, temos que aguardar alguns instantes até que o nível de água se encha, para só então, voltarem a ser utilizadas. Exatamente como na minha e em muitas outras casas no Brasil.

Muito bem, após usar o banheiro utilizei a descarga e reparei que a água tinha ficado azul e perfumada. Não entendi, procurei o desodorizador e nada? Ainda demorei alguns instantes até compreender o havia acontecido.

Ela teve o “insight” de colocá-lo dentro do recipiente onde a água da descarga é armazenada. Assim, toda vez que a descarga é acionada, a água fica perfumada.

Esta idéia me lembrou mais uma das célebres frases de Einstein: "Se no início a idéia não parecer absurda, não há esperanças para ela.”

Achei genial a solução e me perguntei: por que não pensei nisto antes?

Normalmente as idéias criativas são tão simples e obvias que ficamos com essa estranha sensação.

Bastou apenas um olhar diferente para o "problema", sobre um outro ponto de vista e pronto, surgiu uma solução simples e original. Não era perfeita e muito menos a mais econômica, na verdade foi uma improvisação, mas enfim, resolveu o problema dela e o meu por tabela.

“Pediram a um grilo que citasse três animais mansos e três animais ferozes e o grilo não hesitou em listar, como animais mansos, o leão, o tigre e a cascavel; e, como animais ferozes, o pardal, a rã e a galinha.”

Ela pensou diferente, fora dos padrões normais e solucionou criativamente o seu problema. O professor Edward de Bono chama este raciocínio de: “pensamento lateral”.

Para explicar, diz que podemos raciocinar de duas maneiras diferentes:

Verticalmente: “cavando cada vez mais fundo sempre no mesmo lugar".

É quando insistimos em resolver problemas utilizando apenas com nossos conhecimentos e experiências.

Lateralmente: "cavando em outros lugares quando não achamos o que estamos procurando".

Ou seja, é quando diante de um problema novo, desconhecido ou aparentemente impossível, damos asas à imaginação nos libertando das regras e amarras da nossa educação e sociedade.

Para comentar este artigo, clique aqui e utilize o blog do autor

Horácio Soares - Analista de Sistemas e WebdesignerHorácio Soares é professor universitário e trabalha como Analista de Sistemas e Webdesigner de uma multinacional.
horacio.soares@internativa.com.br